Voltou… a blogagem coletiva musical, voltou!!! \o/

E vamos voltar falando de amor… tem coisa melhor??

 

Escolher uma música com esse tema é complicado, então, resolvi fazer uma coisa que prometo há muito tempo… vou contar um pouco da minha história e nela vou incluir a música, tá?!

 

família Moreno parte 1

 

Tudo começou em 1994… eu com 23 anos. Engravidei do meu namorado na época. Estávamos há quase 4 anos juntos e no meio de uma crise. Quando eu soube da gravidez, resolvi deixá-lo e criar meu bebê sozinha. Não seria justo nem comigo, nem com ele, nem com o bebê, formar uma família da forma como as coisas estavam caminhando.
Com a decisão na cabeça de fazer isso sozinha, eu sabia que namorado, paixão, amores, ficariam pra depois… bem depois. Eu estava feliz com a decisão mais adulta e madura que eu já tinha tomado em toda minha vida.
Maaaas… sim, toda história tem um "mas…", num evento na casa de um dos meus tios, conheci o Ivan.
Tão famoso na família, já que dois dos meus primos mais queridos moravam com ele, mas eu era a única que não o conhecia. Confesso que de primeira, a propaganda me pareceu exagerada! rsrsrs
Eu com dias de gravidez, fui vítima de uma emboscada feita pela minha prima Camila e quando assustei, estava nos braços do meu futuro marido. Ele na época, tinha acabado de fazer 20 anos.
Me afastei dele porque não queria que ele se apaixonasse, nem eu. Mas ele, ainda sem saber da gravidez, insistiu, ligou, procurou. Chamei até em casa e comecei o assunto com o bom e velho: "tenho uma amiga que está grávida… não vai ficar com o pai e está apaixonada por outro…"
Ele simplesmente disse: "eu assumo!!" Eu pensei… RÁ… ele só tem 20 anos… fala isso enquanto sou magrinha, bonita e tá tudo no lugar… quero ver quando estiver barriguda!!  E me deixei levar.
Era cedo e eu ainda não conhecia a integridade e o caráter daquele rapaz que estava nas nuvens.
Ele contava os dias pra minha barriga crescer e eu cada vez mais apaixonada.
A gravidez foi uma tanto conturbada por motivos que não vêm ao caso agora. Nada entre nós. Os problemas só nos unia mais.
Nunca fiquei um dia se quer sem estar com ele. Ele cuidava de mim.
Me lembro que no comecinho do namoro, a gravidez me deixava extremamente sonolenta… eu só dormia, o tempo todo… ele pacientemente ficava a meu lado tocando violão até eu acordar e ter que voltar pra casa.
 

 

Os meses se passaram, o sono passou, a barriga cresceu e a bonitona agora se parecia com um botijão de gás… e ele ali… firme, forte, apaixonado, fazendo planos. E eu?? Eu completamente envolvida, apaixonada, aos pés daquele homem, que era tão novo, mas muito mais homem que muito homem que conheço até hoje.
Depois de algumas barreiras que tivemos que enfrentar por ele "não ser o pai do bebê", por ele ser muito novo pra assumir algo tão grande, por termos que começar do zero com um bebê a caminho, por ele ter que lutar por mim contra meus parentes, contra o pai biológico, contra os contras… minha bolsa rompeu… e algumas horas depois, ouvi da boca dele que havia chegado o "amigo que ele tanto esperava!" Eu vi naqueles olhos verdes um amor tão verdadeiro…
 
Agora éramos 3.
 

02

 

… continua…

ai, ai… tão poucas palavras de uma época que aconteceu TANTA coisa… Eu li e reli e contada assim, do jeito que contei, parece uma história paralela. Na minha cabeça ao reler, ficam faltando peças tão importantes, mas que não cabem mais serem escritas, lidas ou comentadas. Só o que importa é o que sentimos um pelo outro e o amor que fez com que escolhêssemos caminhar juntos.
Meu positivismo faz com que eu acredite que os perrengues, os obstáculos, as barreiras… tudo fez que com que pudéssemos estar aqui hoje.